Judd Marriott Mendes in Versus

O Sagrado que habita em mim, ama o Sagrado que habita em ti ...

Textos


 
Alma perdida

Vivo, mas quase sem fala
Eu ainda aqui te esperava
Diante dessa foto antiga
Eu não sou louco
Sou embriagado poeta
Apenas acreditava....
No que via em todo lugar 
Te esperava aqui de pé
Com flores na mão
Com coração pulsante
Alma livre de gaivota
Fome in comunal
Só a ti mais nada  
Nada mais nesta vida vaga   
Prisioneiro de teu olhar ausente
Estou sozinho... tu distante
Mas sempre falo contigo
Apenas te amava em desejo
Te vejo em tudo, até nos céus
Nada me impede dessa merda
Os oceanos de sonhos se esvaziaram
Meu tempo agora é tempestade
Deixa minha caneta me levar 
Vou rasgar esta página
Chega de sombras e nada
Porra! 
Lembra dos meus miseráveis sonhos
Eu disse? 
Não... esquece!
Estes levo comigo...
Pra puta que pariu!
Com a alma perdida.


__________________________ 




Ingratidão


Os meus sonhos tu os levaste
Pra tão longe sem retorno
Depois que te foste
Não há lugar pra mim 
No caminho das estrelas e da magia
 Soubeste com esmero escurecer meu sol
... de esperança e fantasia
Meu mar secou
No meu céu só tempestade há 
Mesmo te sabendo ausente
Eu aqui ainda falo contigo
 Como esquecer os desejos loucos
... que me inspiravas?
Como não lembrar de tua boca 
A torturar-me com teus beijos
Como ignorar que eras meu sol de
primavera e meu "mais que tudo"?! 
Como uma parva aqui fiquei 
Casa enfeitada a esperar por ti 
Que nunca mais vieste!
Hoje só o vento da amargura, 
passa por aqui, 
... e recolhe as minhas lágrimas 
Cheias de ti!  

    
 Esther Lessa

 
Esther Lessa e Judd Marriott Mendes
Enviado por Judd Marriott Mendes em 28/11/2017
Alterado em 29/11/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Esther Lessa e Judd Marriott Mendes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Áudios Relacionados:


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras