Judd Marriott Mendes in Versus

O Sagrado que habita em mim, ama o Sagrado que habita em ti ...

Textos


Podem me humilhar,
podem me tirar a paz!
Mas uma coisa é certa:
Não vou usar.
_ um dia só, limpa tudo _
Poxa escrevo o que gosto,
o que posso, pra quem gosta!

Orgulho, saudade e más palavras
São Trés FDP!
(*saudade, até só há no português)

Aceito críticas construtivas
cresco com elas...
Impropérios, infames não, pule me..
Se não curtir.  Paz e bem

Sucesso a todos.
Obrigado! Judd

 
 Não bloqueio ninguém, críticas são sempre bem-vindas, público as, agradeço, respondo acima e uso as para meu bem, o pouco que sei aprendi, leio quem gosto e recebo meus amigos, para mim isto e lazer. Alguns confundem o caráter, eu escrevo o que gosto, quando é mais picante está restrito. Divido o que sei, e aprendi com muito poetisas importantes como minha Professora Maria Augusta que me puxa a orelha e pede me para corrigir acentuação. Helena HLuna que me indicou onde aprender a fazer aldravias que ela faz com maestria e gentilmente me cedeu conhecimento, Kathleen Lessa que nos ensina e tantos mais.... Eu público o que aprendo, faço teoria, e-books e divido, escrevo o que gosto, sempre dando créditos ás mestras e mestres autores. Nunca me estressei. Mas "gringo burro, imbecil, idiota", todo dia não! Há três seres infames que comentavam tudo que escrevo (mal amadas acredito), com mal tratos e isso não posso aceitar, tive que bloquear. Bastava me pular!
Se esses seres infâmes falarem tão bem a minha língua como falo a vossa e outras cinco que falo e também publico, publicarei e formatarei aqui tudo delas com creditos, sobre minhas tortas linhas.... Ou se ao menos fizessem críticas  dignas, honestas e construtivas, ótimo! Mas degradar e humilhar não, desculpem me. Leio contos infantis, aliás tudo... mas só posso escrever o que sei e gosto, até acredito ser eclético. Desculpem, não difamo ninguém e jamais desrespeitei ou respondi a impropérios. Só uma pessoa no recanto, que me é especial, intima e cara até hoje recebeu notícias de meu desconforto e mesmo assim, por ser  a única próxima a mim, minha guru e amada mestra:
Sim ela, meu amor e eterna professora Maria Augusta,
desculpem o desalento do desabafo.
Judd Marriott Mendes
Enviado por Judd Marriott Mendes em 25/09/2017
Alterado em 26/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Judd Marriott Mendes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras