Judd Marriott Mendes in Versus

O Sagrado que habita em mim, ama o Sagrado que habita em ti ...

Áudios

VIDA SEM ARTE - (dueto) Aila brito e Judd
Data: 01/12/2017
Créditos:
Aila brito, VIDA SEM ARTE - (dueto / réplica), sonetos.

Autora no RL
http://www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=111791
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Puala Fernamdes e sonetos Aila Brito e Judd Marriott Mendes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

VIDA SEM ARTE - (dueto)

                                         AILA  &  JUDD

                           Porquanto sobre nós, pairava a arte,
                           E em cítaras, os sonhos embalavam,
                           Um amor blue, consagrava-se, destarte,  
                           Dois corações, em festa, consagravam!

                           Mas em nós, se perdeu a melhor parte,
                           Loucuras de amor, não mais celebravam
                           Os meus anseios, na ilusão de amar-te;
                           E ao léu, todos os sonhos, balouçavam.

                           Reflexos que a vida reservou,
                           Dos erros que plantamos em nosso amor,
                           Com o ciúme, invadindo nossas vidas...

                           E as feridas na alma, se encrustando
                           Pelas brigas; e as lágrimas rolando
                           Ao chão, despetalando margaridas.

                                         (AILA BRITO)          
                                                
                                            
                           Meu amor a  vida sem arte é um mistério
                           Tantos erros eu cometi inconsequente
                           Te perder não! Por favor me leva a sério
                           Todo dia eu te perdia por acidente.

                           Aceite, austero pedido demente
                           Releve nosso amor com todo critério
                           As chaves da vida que perdi bestamente  
                           Ai meu Deus! Perdoe ela o meu adultério.

                           Que os ciúmes não a tornem indiferente
                           Esqueça ela as brigas, ferida inquieta
                           Toda lágrima na face rolando indolente.

                           Seja eu um oásis de puras verdades
                           Não a seca debochada margarida  
                           Provocadora de ruínas e saudades.

                                 (JUDD MARRIOTT MENDES)                


       OBRIGADA, JUDD,  PELO CARINHO E PELA BELÍSSIMA RÉPLICA!


                                              xxxxx

                        Bela interação do poeta JAIR LOPES. Grata!


                                          Há vida sem arte?

                          Eu pergunto, é possível viver sem arte
                          Aquela vida que, no fundo, valha a pena?
                          Somente fazendo cada um sua parte
                          Sem embelezar-se, uma vida pequena?

                          Sem fazer criação qualquer de coisa alguma
                          Apenas copiando o que por aqui existe?
                          Sem ter produzido algo seu, que então assuma
                          Com orgulho mantendo a cabeça em riste?

                          Sim, tudo isso, talvez, bem possível o seja
                          Para aquele que pouco lhe importe tal lida
                          Que não se importe de seu bolo sem cereja.

                          Mas prum vate, a arte deve ser entendida
                          Como servida a caráter numa bandeja
                          Porquanto sua arte é pra si, a própria vida.
Enviado por Aila Brito em 01/12/2017

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras